Fintechs estão se tornando alvo de cibercriminosos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os cibercriminosos estão de olho nas fintechs, empresas inovadoras do mercado financeiro. Isso porque, segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), em 2015 o Brasil possuía cerca de quatro mil startups. O número saltou para 14,6 mil em dezembro de 2021.

O estudo Fintechs Report 2022 informa que dos US$ 9,4 bilhões investidos em startups brasileiras em 2021, 40% foram alocados em fintechs. Os segmentos de crédito, meios de pagamento e serviços digitais foram as categorias mais representativas desse montante.

Os ataques cibernéticos não se concentram apenas de maneira externa. A segurança cibernética também deve ser pensada internamente, como possíveis colaboradores mal-intencionados que podem violar as políticas de privacidade de dados e sequestrar informações e dados pessoais armazenados nos sistemas da empresa.

Como evitar esse risco? 

É importante traçar uma estratégia de proteção de dados eficiente para evitar esse tipo de risco, que deve englobar a proteção da Propriedade Intelectual (PI), além de informações comerciais consideradas secretas. 

No caso de fintechs, que são empresas baseadas em tecnologia, essa PI assume a forma de código-fonte, cujo algoritmo pode ser relacionado ao processamento de pagamento, à detecção de fraude e a outros elementos críticos executados digitalmente.

Na hipótese de o valor central da empresa residir na Propriedade Intelectual, protegê-la é fundamental para que o negócio persista.

LGPD e Open Banking

Outro ponto significativo para que as fintechs mantenham a segurança da informação atualizada se relaciona com o Open Banking, que segue as normas da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Os bancos terceirizam dados compartilhados para serviços financeiros , muitas vezes realizados por fintechs, sendo necessário o cumprimento das normas de segurança.

Do contrário, o próprio banco detentor da informação limita o envio de dados, ainda que o cliente tenha dado consentimento sobre o compartilhamento. Portanto, possuir uma proteção externa e interna se torna uma necessidade básica nas fintechs que desejam estar em compliance com as normas do Banco Central e da LGPD, além de manter-se em operação.

O grande número de investimentos em fintechs chama a atenção para o sequestro de dados e, posteriormente, que os cibercriminosos solicitem um resgate com valores altíssimos para que não haja a exposição das informações confidenciais.

E, ainda que o valor seja pago, não há garantia de que eles continuem protegidos. Sendo assim, é sempre melhor prevenir do que remediar.

Fonte: Crypto ID

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *